Com metade das mortes registradas no país por H1N1, Goiás é o 1º estado a fazer campanha de vacinação - Saúde | Valter Vieira - Informação de qualidade
18 de outubro de 2018
MIN MAX
Envie fotos e vídeos
para nosso WhatsApp
75 99120-3503

Notícias

SAÚDE - 13/04/2018

Com metade das mortes registradas no país por H1N1, Goiás é o 1º estado a fazer campanha de vacinação

Com metade das mortes registradas no país por H1N1, Goiás é o 1º estado a fazer campanha de vacinação

Com metade das mortes registradas neste ano em todo o país por H1N1, Goiás é o primeiro estado do país a promover campanha de vacinação contra gripe. As doses começam a ser aplicadas nesta sexta-feira (13), dez dias antes do lançamento da mobilização do Ministério da Saúde.

Segundo último boletim do órgão, das 16 mortes pela doença no país, 8 foram no estado. Uma 9ª vítima do vírus foi confirmada em Goiás após o balanço.

Para este primeiro momento, foram enviadas 650 mil unidades, e apenas idosos, trabalhadores da saúde, indígenas e pessoas com doenças cardíacas e respiratórias graves serão contemplados. A imunização protege contra dois subtipos da Influenza A – H1N1 e H3N2 – e um subtipo da Influenza B.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO), as doses serão distribuídas apenas para grupos prioritários – crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, puérperas até 45 dias após o parto, pessoas com 60 anos ou mais, indígenas, trabalhadores da saúde, professores, portadoras de doenças crônicas não transmissíveis, funcionários do sistema prisional e adolescentes e jovens entre 12 e 21 anos que cumprem medida socioeducativa ou estão presos.

Tabela do Ministério da Saúde aponta distribuição de casos confirmados e mortes por H1N1 em todo o país até 7 de abril de 2018 (Foto: Reprodução)Tabela do Ministério da Saúde aponta distribuição de casos confirmados e mortes por H1N1 em todo o país até 7 de abril de 2018 (Foto: Reprodução)

Tabela do Ministério da Saúde aponta distribuição de casos confirmados e mortes por H1N1 em todo o país até 7 de abril de 2018 (Foto: Reprodução)

A TV Anhanguera apurou que idosos de Goiânia que estão restritos ao leito e não podem se locomover até os postos podem solicitar a vacina em casa. Eles devem entrar em contato com o Distrito Sanitário de sua região. Nas unidades, há equipes conhecidas como Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf), responsáveis pelo atendimento.

As últimas mortes causadas pela doença foram registradas em 2016, quando 90 pessoas vieram a óbito. O medo do avanço da doença levou várias pessoas a laboratórios particulares. Os estoques acabaram, e as clínicas precisaram pedir reposição e passaram a atender com distribuição de senha. O custo é de cerca de R$ 150. O Procon fiscaliza o serviço.

Filas para se vacinar contra a gripe H1N1 em clinica particular de Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Filas para se vacinar contra a gripe H1N1 em clinica particular de Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Filas para se vacinar contra a gripe H1N1 em clinica particular de Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

governo estadual decretou estado de alerta e criou um comitê para controlar a situação e, adotando recomendações do Ministério Público, reservou 30 leitos em hospitais para atender casos graves. O secretário estadual de Saúde, Leonardo Vilela, classificou a situação como "anômala".

Veja o calendário de vacinação para o estado:

13/04 a 20/05 – Idosos, trabalhadores da saúde e pessoas com doenças cardíacas e respiratórias graves23/04 a 27/04 – gestantes, puérperas e crianças30/04 a 11/04 – professores12/05 – Dia D: serão vacinados todos os grupos prioritários da campanha14/05 a 1/06 – todos os grupos prioritários da campanhaIndígenas: podem ser vacinados durante todo o período da campanhaPresos e funcionários do sistema prisional: o agendamento será feito a critério do município no período da campanha.
Casos confirmados e mortes

De acordo com o último boletim da SES-GO, divulgado no dia 10 de abril, já foram confirmados 64 casos de H1N1 em 15 cidades do estado este ano. A pasta informou contabilizar apenas casos graves, já que a notificação da doença deixou de ser compulsória em 2012.

Até então, oito mortes tinham sido confirmadas. O nono caso foi informado ao G1pela Prefeitura de Anápolis nesta quinta-feira (12) e vai ser anexado ao próximo boletim.

Goiânia - 35 casos registrados, sendo 4 mortesHidrolândia - 1 caso registrado, sendo 1 morteJaupací - 2 casos registrados, sendo 1 morteTrindade - 10 casos registrados, sendo 2 mortesAnápolis - 3 casos registrados, sendo 1 morteAparecida de Goiânia - 4 casos registradosBela Vista de Goiás - 1 caso registradoCaturaí - 1 caso registradoGoianira - 1 caso registradoInhumas - 1 caso registradoLuziânia - 1 caso registradoNerópolis - 1 caso registradoPorangatu - 1 caso registradoRio Verde - 1 caso registradoValparaíso de Goiás - 1 caso registrado

Surto em hospital filantrópico

As duas primeiras morte por H1N1 registradas no estado neste ano ocorreram na Vila São José Bento Cottolengo, hospital filantrópico que atende pessoas com múltiplas deficiências, físicas e mentais. Um surto da doença atingiu a unidade, e outros pacientes precisaram ficar em isolamento.